Português Italian English Spanish

Campina Grande (PB): autoridades, empresários e população desdenham da epidemia do coronavírus

Campina Grande (PB): autoridades, empresários e população desdenham da epidemia do coronavírus

Data de Publicação: 23 de março de 2020 16:37:00

Por Léo Mendes
Canal 2N
16:37

Feira do Prata, Campina Grande (PB), manhã de domingo (22).

Tradicional reduto nordestino do bolsonarismo, Campina Grande (PB) parece não ter compreendido a extensão da crise na saúde pública representada pela disseminação do coronavírus.

Além da relutância das autoridades municipais em tomar medidas mais contundentes para o enfrentamento da propagação da doença; e de empresários e comerciantes locais em determinar a redução, ou mesmo a paralisação das atividades de suas empresas; parte da população vem se mostrando cética quanto às consequências da pandemia.

Isso é visível em quase toda a cidade! Em rodas de conversas e redes sociais, difundem e compartilham as platitudes e bravatas do presidente da República e de seus filhos sobre a responsabilidade do governo chinês na “criação” (isso mesmo, “criação) da doença.

Não só isso. Cada vez que o temerário presidente anuncia uma cura, rapidamente a notícia de dissemina em grupos de WhatsApp, com os mais diversos anexos, fakenews e imagens que a corroboram, acompanhada de corrida a farmácias em busca do milagroso remédio.

Neste final de semana, entretanto, o descaso das autoridades e a inconsequência da população foi ao extremo. As tradicionais feiras campinenses funcionaram, na prática, como se nada estivesse acontecendo, tanto a chamada “feira central”, a principal, como as dos bairros, especialmente a do Prata e do Liberdade, respectivamente a segunda e terceira em importância, além de outras, como a do Malvinas, maior bairro da cidade.

A imagem que ilustra esta reportagem, publicada no Blog do Max Silva, é da feira do bairro da Prata, na manhã deste domingo (22), uma multidão se aglomerava sob justificativa de estocar gêneros de primeira necessidade, apesar das recomendações do Ministério da Saúde para as pessoas evitarem aglomerações e, na medida do possível, manterem-se, em quarentena.

Ao que parece, grande parte da população campinense ainda não se apercebeu da gravidade da situação, enquanto outra parte se mantém fiel ao presidente da República. Campina Grande, por exemplo, foi uma das poucas cidades do interior do Nordeste onde os seguidores de Jair Bolsonaro se dispuseram a tentar realizar a manifestação pelo fechamento do STF e do Congresso Nacional no dia 15 de março. Foi inexpressiva; mas, ainda reuniu uns gatos pingados a gritar palavras de ordem contra a democracia.

Em contato com feirantes do Liberdade, O Canal 2N apurou que os negócios na feira do bairro praticamente não foram afetados no sábado (21) e reduziram-se um pouco neste domingo (22). Um proprietário de um salão de beleza (localizado numa das ruas adjacente à feira), que preferiu não se identificar, disse que “os bares, os pequenos restaurantes e os serviços, como o dele, foram os que mais sofreram. Mas, as bancas e feirantes também tiveram seus negócios reduzidos”.

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário