Português Italian English Spanish

História: Carlos Heitor Cony e a Revolução dos Caranguejos

História: Carlos Heitor Cony e a Revolução dos Caranguejos

Data de Publicação: 1 de abril de 2020 10:25:00

Por Léo Mendes
do Canal 2N
10:25

Em primeiro de abri de 1964, não por acaso o "dia da mentira", um conluio orquestrado pela embaixada dos EUA, através do embaixador Lincoln Gordon, e seus lacaios incrustados no EMFA (Estado Maior das Forças Armadas), resultou num golpe de Estado que depôs o presidente contitucional do Brasil, João Goulart, e implantou uma ditadura degenerada, corrupta e antinacional que perdurou por tenebrosos 21 anos.

Quando do golpe, em associação com as elites empresarias e latifundiárias, tendo como porta-vozes veículos da grande mídia de então, encabeçados pelas Organizações Globo e pelos Diários Associados, seus capos (assim se designa "chefes mafiosos"), talvez para prestar homenagem à ordem do "dia da vergonha", encobrindo-a com a mentira, prática típica de conspiradores, acharam de chamar de "revolução" à conspirata.

Então, o jornalista Carlos Heitor Cony, testeumunha in loco dos fatídicos eventos, os registrou com refinada ironia, através da qual, não apenas narrou os acontecimentos, mas nos legou um retrato do caráter de seus próceres.

A atualidade de suas observações ao mensurar o spiritus corpus das forças armadas brasileiras, especialmente de sua alta oficialidade, hoje manifesto no sabujismo e na venalidade com que servem ao governo fascistoide e antipovo de Jair Bolsonaro, nos é um alerta.

Por isso, o Canal 2N, a um só tempo em memória de todos (as) que lutaram contra a ditadura militar e num chamamento para que enfrentemos os tempos sombrios com que até hoje nos ameaçam seus "saudosistas" e "órfãos", alguns pensionistas ad perpetuam do Estado, publicamos na íntegra a crônica de Cony.

Revolução dos Caranguejos

Já que o Alto Comando Militar insiste em chamar isso que aí está de Revolução – sejamos generosos: aceitemos a classificação. Mas devemos completá-la: é uma Revolução, sim, mas de caranguejos. Revolução que anda para trás.

Que ignora a época, a marcha da história, e tenta regredir ao governo Dutra, ou mais longe ainda, aos tempos da Velha República, quando a probidade dos velhacos era o esconderijo da incompetência e do servilismo. Quando até os vasos de nossos sanitários, as louças de nossos mictórios públicos tinham o consagrador made in England.

O Brasil foi para a frente, ganhou campeonatos do mundo, firmou uma presença industrial, subiu ao plano internacional – mas tudo isso é fruto do comunismo: há de regredir aos tempos da Baronesa, Leopoldina Railway, das tesourinhas Sollingen, do retrato do Santo Padre concedendo indulgências plenárias pendurado nas salas de visita.

Lembro o poema de Apollinaire sobre o caranguejo: “recuamos, recuamos”. E a sensação que predomina no País é esta: um recuo humilhante que deverá ser varrido muito mais cedo do que os medrosos e os imbecis pensam. Não se podia esperar caráter e patriotismo dos políticos: são coisas que a estrutura de um político não pode possuir, assim como a estrutura do concreto armado não pode possuir bolsões de ar.

Mas dos militares – não há como negar, sente-se patriotismo e algum caráter. Um patriotismo adjetivado, sem substantivos, que se masturba com os gloriosos feitos históricos, feitos cada vez mais discutíveis.

Um patriotismo estéril, que não leva a nada, que não constrói nada: lembro a patriotada do marechal Osvino mandando que os postos de gasolina hasteassem a bandeira nacional. É quase uma anedota, mas é típico da espécie deste patriotismo que rege nossas Forças Armadas.

Com algum caráter e algum patriotismo, é possível que os próprios militares compreendam o mau passo que estão dando, desmoralizando o Brasil perante o mundo inteiro, e, o que é pior, destruindo o que de melhor temos como Nação, e como povo: a vergonha.

Não se compreende que os militares, hoje no poder, em nome da ordem queiram impor tamanho retrocesso. Estúpida concepção da ordem essa, a de que a ordem se basta a si mesma. A ordem só é válida quando conduz a alguma coisa: ordo ducit. Mas a ordem que os militares desejam é uma ordem calhorda, feita de regulamentos disciplinares do Exército e de estagnação moral e material.

Até agora, essa chamada Revolução não disse a que veio. As necessidades do País, que levaram o governo inábil do Sr. João Goulart a atrelar-se à linha chinesa do comunismo internacional, não receberam uma só palavra do Alto Comando.

Falam em hierarquia, em disciplina, e consideram a Pátria salva porque os generais continuarão a receber continência e medalhas de tempo de serviço – à falta de condecorações mais bravas.

Sabemos que o governo deposto, se realmente enveredou o País para o caminho do caos, em parte tinha real cobertura dos anseios populares que o Sr. João Goulart não soube interpretar nem zelar.

Esses anseios não desaparecerão porque o general Fulano depôs o general Sicrano. Afinal, o Brasil – já o disse aqui – não é um quartel de oito milhões de quilômetros quadrados. Quadrados são os que desejam fazer do País um prolongamento do quartel.

Sem medo, e com coerência, continuo afirmando: isso não é uma revolução. É uma quartelada continuada, sem nenhum pudor, sem sequer os disfarces legalistas que outrora mascaravam os pronunciamentos militares. 

É o tacão. É a espora. A força bruta. O coice.

Que os caranguejos continuem andando para trás. Nós andaremos para a frente, apesar dos descaminhos e das ameaças. Pois é na frente que encontraremos a nossa missão, o nosso destino. É na frente que está a nossa glória.

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário