Português Italian English Spanish

A conta do desgoverno: IGP-M atinge 23,14% e desemprego, 14,1 milhões de brasileiros

A conta do desgoverno: IGP-M atinge 23,14% e desemprego, 14,1 milhões de brasileiros

Data de Publicação: 29 de dezembro de 2020 18:30:00
Por Redação
Do BRASIL 247

Reuters - O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) encerrou 2020 com alta acumulada de 23,14%, no resultado mais elevado para um ano em 12 anos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira (29). A alta em 12 meses ficou bem acima da taxa de 7,30% com que o IGP-M terminou 2019, e é a mais forte desde 2002, quando o IGP-M subiu no ano 25,31%.

A meta central de inflação do governo para os preços ao consumidor este ano é de 4%, com uma margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos, medida pelo IPCA. Em dezembro apenas, o IGP-M desacelerou a alta a 0,96% de 3,28% no mês anterior, ficando abaixo da expectativa em pesquisa da Reuters para o dado mensal de uma alta de 1,13%.

No mês, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do índice geral e apura a variação dos preços no atacado, subiu 0,90%, de 4,26% em novembro, acumulando em 12 meses avanço de 31,63%. O destaque em 2020 ficou para o avanço de 59,96% das Matérias-Primas Brutas, embora tenham passado a cair 0,74% em dezembro depois de alta de 5,60% em novembro.

“O grupo que exerceu maior pressão inflacionária no índice ao produtor por estágios de processamento cedeu no último mês de 2020. As principais contribuições para este movimento partiram das commodities: soja (11,91% para -8,93%), bovinos (7,40% para -0,58%) e milho (21,85% para -2,17%)”, explicou o coordenador dos índices de preços, André Braz.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), com peso de 30% sobre o índice geral, acelerou a alta a 1,21% no último mês do ano, de 0,72% em novembro, chegando a 4,81% no acumulado do ano.

(...)

14,1 milhões de desempregados

O Brasil iniciou o quarto trimestre com aumento no número de desempregados diante da maior procura por emprego, mas ao mesmo tempo apresentou no período alta na população ocupada, indicando recomposição do mercado de trabalho. Entre agosto e outubro a taxa de desemprego foi a 14,3%, segundo os dados divulgados nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado ficou bem acima da taxa de 13,8% vista no trimestre imediatamente anterior, de maio a julho, mas cedeu ante os 14,6% vistos no trimestre até setembro, máxima da série histórica da Pnad Contínua iniciada em 2012. A expectativa em pesquisa da Reuters era de que a taxa chegasse a 14,7% no trimestre até outubro.

O desemprego vem permanecendo em níveis extremamente altos no Brasil como consequência das medidas de contenção ao coronavírus, sendo o mercado de trabalho normalmente o último a se recuperar de crises. No período, o Brasil tinha 14,061 milhões de desempregados, um aumento de 7,1% sobre os três meses imediatamente anteriores e de 13,7% ante o mesmo período de 2019.

(...).

(Com adaptações - Original aqui)

 

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário